Revell/Estrela - Ônibus Espacial Discovery com Foguetes e Plataforma de Lançamento - 1/144

Código: REV250601 Marca:
Ops! Esse produto encontra-se indisponível.
Deixe seu e-mail que avisaremos quando chegar.

Discovery é o terceiro dos cinco orbitadores que constituíram o programa de ônibus espaciais da NASA. Os dois primeiros foram o Columbia e o Challenger, respectivamente. Sua primeira missão foi a STS-41-D, que aconteceu entre os dias 30 de agosto e 5 de setembro de 1984. Foi ao espaço 39 vezes ao longo de 27 anos em serviço, tornando-se assim o ônibus espacial que mais realizou missões. Após as tragédias com o Challenger e o Columbia, o Discovery passou a ser o ônibus espacial mais antigo em funcionamento. O Discovery também acoplou-se uma vez à estação espacial russa Mir e 13 vezes à Estação Espacial Internacional. Com sua grande quantidade de voos espaciais, o Discovery pôs no espaço um total de 31 satélites, incluindo o Telescópio Hubble, e durante sua missão STS-95 levou ao espaço o astronauta John Glenn, o primeiro norte-americano a orbitar a Terra a bordo da Friendship 7 e o astronauta mais velho a voar em um ônibus espacial. Fez seu último pouso em 9 de março de 2011 e atualmente encontra-se em exposição no Steven F. Udvar-Hazy Center em Chantilly, Virginia. Segundo a NASA, o nome Discovery foi escolhido em referência aos navios usados nas missões do britânico James Cook e do navegador Henry Hudson. Henry Hudson, um explorador inglês, descobriu o Estreito de Hudson, a Baía de Hudson e o Rio Hudson, enquanto James Cook foi o explorador, navegador e cartógrafo britânico responsável pela descoberta da Austrália e do Havaí, bem como a primeira circum-navegação registrada da Nova Zelândia. O HMS Discovery foi um dos navios comandados pelo capitão James Cook durante suas viagens pelo Pacífico Sul durante a década de 1770, enquanto o Discovery de Henry Hudson foi usado entre 1610 a 1611 para explorar a Baía de Hudson e pesquisar a Passagem do Noroeste. Ambos emprestam seu nome ao ônibus espacial. Outros navios também tinham o nome Discovery, incluindo o HMS Discovery, usado na Expedição Ártica Britânica que aconteceu entre 1875 a 1876 com o objetivo de chegar ao polo norte; e o RRS Discovery, que participou da Expedição Discovery entre 1901 a 1904 para a Antártida. Com a sua última missão, a STS-133, o Discovery voou mais de 238 milhões de quilômetros em 39 missões, completou 5 830 órbitas e passou 365 dias em órbita com mais de 27 anos de missões. O Discovery voou mais voos do que qualquer outro ônibus espacial, sendo quatro voos apenas no ano de 1985. O Discovery também foi o responsável por retomar os voos de ônibus espaciais após os dois acidentes mais conhecidos de toda a exploração espacial. Primeiramente, em 1988, na STS-26, dois anos após o trágico acidente do ônibus espacial Challenger. E posteriormente, em 2005, na STS-114, também dois anos após o acidente do ônibus espacial Columbia. Durante essa missão, o Discovery sofreu os mesmos problemas que levaram à destruição do Columbia, mas os defeitos foram reparados ali mesmo em órbita. O ônibus espacial Discovery iniciou suas atividades com a missão STS-41-D, responsável por colocar em órbita três satélites de comunicação no ano de 1984. Em 1990, o Discovery levou ao espaço o telescópio espacial Hubble na STS-31. Com diferentes defeitos no Hubble nos anos seguintes, foram necessárias cinco missões de serviço para repará-lo. A primeira missão foi a STS-61 (1993); a segunda e a terceira foram as missões STS-82 e STS-103, estas realizadas pelo Discovery em 1997 e 1999, respectivamente; a quarta foi a STS-109 (2002) e a quinta e última foi a STS-125 (2009). No ano de 1994, Sergei Krikalev se tornou o primeiro cosmonauta a voar a bordo de um ônibus espacial, por meio do Discovery, como integrante da tripulação da STS-60. Já no ano de 1998, na STS-95, o ônibus Discovery levou ao espaço o astronauta John Glenn, que havia sido o primeiro norte-americano a orbitar a Terra a bordo da Friendship 7 no ano de 1962. Nessa missão com o Discovery, John Glenn se tornou a pessoa mais velha a voar ao espaço aos seus 77 anos. A STS-133 foi a última missão do Discovery, que tinha objetivo de atracar à Estação Espacial Internacional para continuar sua construção. O Discovery pesava 3 120 kg a menos do que o seu antecessor, o Columbia, quando foi colocado em serviço, o que foi possível devido a possíveis otimizações observadas ao longo da construção e dos testes dos ônibus Enterprise, Challenger e Columbia. Parte dessas melhorias incluiu um maior uso de cobertores acolchoados AFRSI, em vez de azulejos brancos LRSI na fuselagem, e o uso de epóxi de grafite em vez de alumínio para as portas do compartimento de carga e alguns dos apoios das asas e vigas.Após a sua entrega ao Centro Espacial Kennedy, em 1983, o Discovery e Challenger foram adaptados para acomodar o Centaur-G, um impulsionador de combustível líquido que havia sido planejado para entrar em operação em 1986. Seu funcionamento, no entanto, foi cancelado em consequência do acidente do Challenger. No final de 1995, o orbitador passou um período de nove meses no Orbiter Maintenance Down Period (OMDP) em Palmdale, Califórnia. Lá, o Discovery foi equipado com um quinto conjunto de tanques criogênicos e uma câmara externa para apoio nas missões à Estação Espacial Internacional. Como aconteceu com todos os ônibus, o Discovery passou por uma adaptação que permitiu ser anexado a uma aeronave específica para poder ser transportado, o que aconteceu em 1996, quando ele voltou para o Centro Espacial Kennedy, e mais tarde, em abril de 2012, quando ele foi enviado para o Centro Udvar-Hazy, instalado sobre os piggy-back dos Boeings 747 modificados da NASA. Depois da STS-105, o Discovery se tornou o primeiro da frota de ônibus a ser submetido a um período no Orbiter Major Modification (OMM) no Centro Espacial Kennedy para que vários de seus componentes pudessem ser modernizados, o que incluiu atualizações regulares e modificações adicionais de segurança.[23] Esse período iniciou-se em setembro de 2002 e foi concluído em 2003, mas devido ao desastre do Columbia, que fez com que o programa de ônibus espaciais fosse paralisado por dois anos, o Discovery só voltou a voar em 2005. O Discovery era 2,7 kg mais pesado do que o Atlantis e 165 kg mais pesado do que o Endeavour. A última missão do Discovery foi a STS-133, que aconteceu no dia 24 de fevereiro de 2011 e consistiu em levar o Módulo de Logística Multifuncional Leonardo para ser atracado à Estação Espacial Internacional. Como programado, além do Discovery também estavam em fase de descontinuação o Endeavour e o Atlantis. O Endeavour fez a sua última missão no dia 16 de maio de 2011, na STS-134, em que levou ao espaço o Espectômetro Magnético Alpha para continuar a construção da Estação Espacial Internacional, já na reta final. Logo após, o Atlantis também fez a sua última missão, a STS-135, no dia 8 de julho de 2011, em que finalmente concluiu a construção da EEI após 13 anos de construção. Em 12 de abril de 2011, a NASA anunciou os locais e as instalações para onde os quatro ônibus ainda existentes, Enterprise, Atlantis, Discovery e Endeavour, seriam exibidos permanentemente, após a conclusão do programa de ônibus espaciais dos Estados Unidos. O Discovery foi o primeiro a ser descomissionado, no dia 9 de março de 2011. A NASA encaminhou o Discovery ao Museu do Ar e Espaço do Instituto Smithsoniano para ser exibido e preservado, depois de um processo de descontaminação de um mês de duração, sendo então incluído na coleção nacional. O Discovery substitui o Enterprise, que já estava em exibição no Instituto Smithsoniano no Steven F. Udvar-Hazy Center, na Virginia, no entanto ele nunca foi usado em missões na órbita da Terra. O Discovery foi transportado para o Aeroporto Internacional Washington Dulles em 17 de abril de 2012, a bordo de um Boeing 747-100, e foi transferido para o Udvar-Hazy no dia 19 de abril, onde uma cerimônia de boas-vindas foi realizada.

Modelo Estático destinado a Hobby - NÃO TEM VALOR DE BRINQUEDO
Produto destinado a colecionadores com mais de 14 (quatorze) anos.
Kit para montar e pintar - NÃO CONTÉM COLA NEM TINTAS
Imagem meramente ilustrativa da aplicação do produto.
A aparência final e características dependerão de como ele será utilizado pelo usuário.

Produtos relacionados

Sobre a loja

A Hobby Trade Center está há mais de 25 anos no mercado de modelismo,comercializando kits plásticos para montar, miniaturas em metal (die cast),trens elétricos, brinquedos educativos, quebra cabeças em 3D entre outros produtos.. Em nossa empresa você irá encontrar a mais variada gama de produtos do ramo, um execelente atendimento, sempre com qualidade e agilidade!

Social
Pague com
  • Pix
  • Pagar.me V2
Selos

HTC COMÉRCIO DE MODELISMO LTDA - CNPJ: 96.601.257/0001-78 © Todos os direitos reservados. 2022


Para continuar, informe seu e-mail